Acesso do Cliente

Insira seu usuário e senha para acesso ao controle de processos

Notícias

Cotação da Bolsa

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
França 0,43% . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
S&P 500 0,31% . . . .

Previsão do tempo

Hoje - Montes Claros, MG

Máx
31ºC
Min
18ºC
Poss. de Panc. de Ch

Hoje - Rio Pardo de Mina...

Máx
29ºC
Min
17ºC
Poss. de Panc. de Ch

Hoje - Rio de Janeiro, R...

Máx
30ºC
Min
23ºC
Pancadas de Chuva a

Hoje - Belo Horizonte, M...

Máx
29ºC
Min
17ºC
Poss. de Panc. de Ch

Hoje - Igarapé, MG

Máx
30ºC
Min
13ºC
Poss. de Panc. de Ch

Webmail

Acesso do Escritório

04/03/2021 - 12h32Policiais Civis vão a júri por tentativa de homicídio em boateAcusados vão ser julgados também por tortura

Vitimas foram agredidas no estacionamento e uma delas foi atingida por disparo de arma de fogo ( Crédito : Reprodução/Internet ) Três policiais civis irão a júri popular, acusados de tentativa de homicídio contra um cliente de uma boate de Belo Horizonte e ainda pelo crime de tortura contra ele e outros três clientes. A sentença de pronúncia é do juiz sumariante do 1º Tribunal do Júri de Belo Horizonte, Marcelo Rodrigues Fioravante, publicada em 18 de fevereiro. De acordo com a denúncia, no dia 3 de junho de 2005, os três policiais estavam na boate, localizada dentro do shopping Ponteio, na zona Centro-Sul da capital, e um deles assediou uma cliente, irmã de uma das vítimas, quando aguardavam na fila para pagar a conta.   Ele foi advertido por um dos rapazes,  F.S.A.B., de que ela estava acompanhada e aquela atitude poderia causar problema. Em resposta, o policial civil L.H.M.S. atirou um copo em direção àquela vítima, tendo apenas o líquido atingido o rosto dela. A confusão foi contida pelos seguranças da casa noturna, que expulsaram o agressor e os companheiros dele. Ao sair da boate, o grupo que acompanhava a mulher assediada foi surpreendido pelo policial L.H.M.S. e mais dois colegas, também policiais civis, M.L.M. e R.V.C.S. Os três passaram a agredir F.S.A.B., A.R.R., L.S.M. e A.B.V., chegando a disparar com uma arma de fogo contra a primeira vítima. De acordo com a denúncia do Ministério Público, os policiais foram investigados pela Corregedoria da Polícia Civil, que confirmou a prática dos delitos pelos três acusados. O MP denunciou os três por tentativa de homicídio qualificado e, em 2017, eles chegaram a ser pronunciados pela Justiça por esse crime contra as quatro vítimas, mas a defesa alegou que suas teses não foram analisadas e entrou com recurso, julgado procedente pelo Tribunal de Justiça, que anulou a sentença de pronúncia. Ao reexaminar os autos, o juiz Marcelo Fioravante citou o relatório realizado pela Corregedoria-Geral da própria Polícia Civil. A instituição concluiu que os réus M.L.M., L.H.M.S. e R.V.C.S. foram indiciados pela prática do crime previsto no inciso II, do artigo 1º da  Lei nº 9.455/97 (tortura) c/c artigo 312 do CP (peculato desvio). Segundo apurado pela Corregedoria, as vítimas A.R.R. e F.S.A.B. foram agredidas fisicamente, inclusive, com disparos de arma de fogo. Ao analisar as provas e depoimentos colhidos, tanto na fase de inquérito quanto na fase judicial, o juiz Marcelo Fioravante concluiu haver indícios da tentativa de homicídio em relação à vítima F.S.A.B., somente. Ele citou os depoimentos de testemunhas e das demais vítimas, que afastaram o indício de os réus terem atentado contra a vida das outras três vítimas também. Alguns dos depoentes disseram ter ouvido os disparos no estacionamento e só então terem ido em direção ao local onde estava a vítima F.S.A.B., momento em que foram abordados pelo trio. Eles se identificaram como membros da Polícia Civil, e ordenaram que os outros três rapazes se deitassem no chão, passando a agredi-los e ameaçá-los, inclusive empunhando armas de fogo. Por essa razão, o juiz Marcelo Fioravante pronunciou os três acusados por tentativa de homicídio qualificado somente em relação à vítima F.S.A.B. O juiz considerou, porém, que há indícios de que o trio praticou o crime de tortura, não importando a intensidade das agressões cometidas contra as quatro vítimas, razão pela qual, considerando ainda a conexão entre os fatos, o crime de tortura também deverá ser apreciado pelo Conselho de Sentença em julgamento pelo 1º Tribunal do Júri. processo 002406063703-0
04/03/2021 (00:00)
© 2021 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.