Acesso do Cliente

Insira seu usuário e senha para acesso ao controle de processos

Notícias

Cotação da Bolsa

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
França 0,43% . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
S&P 500 0,31% . . . .

Previsão do tempo

Hoje - Montes Claros, MG

Máx
25ºC
Min
16ºC
Predomínio de

Hoje - Rio Pardo de Mina...

Máx
22ºC
Min
14ºC
Parcialmente Nublado

Hoje - Rio de Janeiro, R...

Máx
24ºC
Min
20ºC
Predomínio de

Hoje - Belo Horizonte, M...

Máx
23ºC
Min
14ºC
Predomínio de

Hoje - Igarapé, MG

Máx
26ºC
Min
9ºC
Predomínio de

Webmail

Acesso do Escritório

16/04/2021 - 14h59Acusado de tentativa de homicídio contra companheira vai a júriCrime ocorreu em Sete Lagoas, em 2020; motivação foi ciúme

Para a juíza de Sete Lagoas, o crime foi praticado contra mulher, em razão dessa condição, considerando que ocorreu em âmbito doméstico e familiar. (Foto: Divulgação/TJMG) Um homem que tentou matar sua companheira em 5 de setembro de 2020, em Sete Lagoas, será julgado pelo júri popular. É o que determina a sentença de pronúncia proferida pela juíza Elise Silveira dos Santos, do Tribunal do Júri da comarca. Ele foi pronunciado por tentativa de homicídio duplamente qualificado: motivo torpe e feminicídio. A data do julgamento não foi marcada, pois pode haver recursos. O réu está preso. Consta da denúncia, oferecida pelo Ministério Público, que o réu começou uma discussão com a vítima em um bar, por ciúmes. Mais tarde, quando ela estava na casa do cunhado, o namorado foi até lá e a agrediu fisicamente. Depois retornou, de posse de arma de fogo, e realizou persos disparos para cima. Em seguida, arrombou o portão da casa e disparou contra ela. Segundo a juíza, há indícios de que o delito foi praticado por motivo torpe, por ciúmes e pelo inconformismo do acusado quanto à negativa da companheira de voltar para casa. Para a magistrada, o crime foi praticado contra mulher, em razão dessa condição, considerando que ocorreu em âmbito doméstico e familiar. Em sua defesa, o réu disse que pediu várias vezes para a vítima voltar para casa, antes de ir até lá. Ele sustenta que pegou a arma para defender a companheira, pois o irmão e a cunhada eram usuários de drogas. Mas a juíza descartou o argumento. “Essa declaração, a meu ver, não encontra qualquer respaldo nas provas dos autos”, afirmou. O homem alegou, ainda, que a arma disparou sem que ele tivesse a intenção de fazê-lo, mas a juíza ponderou que ele já havia atirado outras vezes, do lado de fora da residência. “O acusado, em tese, sabia que a vítima estava no interior da casa, junto com outras pessoas e tinha conhecimento também de que a casa era bem pequena, explicando inclusive, em juízo, o tamanho do lugar. E mesmo assim, efetuou disparo de arma de fogo quando não conseguiu abrir a porta”, explicou a magistrada. A juíza não considerou a possibilidade da desclassificação do crime para lesão corporal. Ela citou o artigo 413 do Código de Processo Penal como fundamento. A norma prevê que a decisão de pronúncia seja proferida “caso o juiz se convença da existência de provas da materialidade do crime e de indícios suficientes da autoria do acusado, posto que se trata de mero juízo de admissibilidade para remessa do caso à apreciação do Tribunal do Júri”. Processo: 00672.2020.005482-9
16/04/2021 (00:00)
© 2021 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.