Acesso do Cliente

Insira seu usuário e senha para acesso ao controle de processos

Notícias

Cotação da Bolsa

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
França 0,43% . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
S&P 500 0,31% . . . .

Previsão do tempo

Hoje - Montes Claros, MG

Máx
26ºC
Min
20ºC
Chuvas Isoladas

Hoje - Rio Pardo de Mina...

Máx
23ºC
Min
17ºC
Parcialmente Nublado

Hoje - Rio de Janeiro, R...

Máx
30ºC
Min
25ºC
Chuva

Hoje - Belo Horizonte, M...

Máx
23ºC
Min
19ºC
Chuva

Hoje - Igarapé, MG

Máx
23ºC
Min
19ºC
Chuva

Webmail

Acesso do Escritório

DECISÃO: Mantida a prisão preventiva de boliviano acusado de tráfico internacional de drogas

A Quarta Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) manteve a prisão preventiva de um cidadão boliviano preso em flagrante na zona rural do município de Porto Esperidião/MT por suposta prática do crime de tráfico transnacional de drogas. O acusado foi detido por policiais militares do estado de Mato Grosso junto com outras oito pessoas, sendo que um dos inpíduos conseguiu fugir do local e em suas posses foram encontrados 109 kg de substância análoga a cloridrato de cocaína e 123 kg de substância análoga à pasta base de cocaína, produtos provenientes de país estrangeiro. Em seu recurso ao Tribunal requerendo a revogação da prisão, o boliviano sustentou que faz jus ao direto pois trabalha na atividade rural, é casado e tem três filhos menores de idade que dependem do sustento material do indiciado. O relator, juiz federal convocado Saulo Casali Bahia, ao analisar o caso, observou que nos autos não existe nenhum documento para comprovar ocupação lícita e residência fixa do acusado na cidade onde foi preso, como também não há certidões criminais negativas de sua vida pregressa. Segundo o magistrado, “não havendo demonstração de que o paciente, estrangeiro, preso por decisão fundamentada, e por tráfico de drogas, tenha algum vínculo objetivo com o Brasil — residência, trabalho fixo ou família constituída —, mostra-se justificada, si et in quantum, a sua prisão preventiva como garantia da ordem pública, da aplicação da lei penal e mesmo por conveniência da instrução processual ante o temor fundado de que, em liberdade, venha a evadir-se do distrito da culpa”. Diante disso, o Colegiado, visando assegurar a aplicação da lei, negou o pedido de habeas corpus que objetivava revogação da prisão preventiva do acusado. Processo: 1019374-48.2022.4.01.0000 Data do julgamento: 19/07/2022 Data da publicação: 19/07/2022 LC Assessoria de Comunicação Social Tribunal Regional Federal da 1ª Região  
01/12/2022 (00:00)
© 2023 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.