Acesso do Cliente

Insira seu usuário e senha para acesso ao controle de processos

Notícias

Cotação da Bolsa

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
França 0,43% . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
S&P 500 0,31% . . . .

Previsão do tempo

Hoje - Montes Claros, MG

Máx
29ºC
Min
22ºC
Nublado e Pancadas d

Hoje - Rio Pardo de Mina...

Máx
28ºC
Min
20ºC
Nublado e Pancadas d

Hoje - Rio de Janeiro, R...

Máx
25ºC
Min
22ºC
Instável

Hoje - Belo Horizonte, M...

Máx
24ºC
Min
18ºC
Chuva

Hoje - Igarapé, MG

Máx
25ºC
Min
16ºC
Chuva

Webmail

Acesso do Escritório

24/09/2020 - 12h30Live aborda desafios do acolhimento institucionalDebate entre magistrados e psicólogos analisou os efeitos da ruptura familiar

  Live promovida pela Ejef tratou de situações, políticas e percepções sobre o acolhimento institucional de crianças afastadas da família de origem O segundo dia do “Encontro de 30 anos do ECA: convivência familiar é prioridade absoluta”, promovido pela Escola Judicial Desembargador Edésio Fernandes (Ejef), foi marcado pelas discussões que permeiam o acolhimento institucional de crianças e adolescentes em todo o País. Cerca de 500 pessoas entre pesquisadores, comissários da infância, conselheiros tutelares, assistentes sociais e psicólogos acompanharam o debate, na noite nesta quarta-feira (23/9), sobre os efeitos subjetivos do acolhimento na criança, no adolescente e nas famílias de origem e guardiãs, bem como o acolhimento, tendo membros da família extensa como guardiães. Os trabalhos, transmitidos ao vivo pela internet, foram mediados pelo juiz Ricardo Rodrigues de Lima, da Vara da Infância e da Juventude de Juiz de Fora, que representou o desembargador Tiago Pinto, 2º vice-presidente do TJMG e superintendente da Ejef. Também participaram a juíza diretora do foro de Juiz de Fora, Raquel Gomes Barbosa, e o psicanalista Luiz Romão. Subsídio Juiz Ricardo Rodrigues de Lima falou sobre políticas públicas, entre elas a destinação de subsídios para famílias que acolhem crianças e adolescentes O juiz Ricardo Rodrigues de Lima destacou os desafios da intervenção estatal na retirada da criança da família de origem, muitas vezes ocasionada por situações de extrema vulnerabilidade. Ele citou projetos que podem ajudar as famílias acolhedoras. “Alguns municípios brasileiros já contam com políticas públicas voltadas para a concessão de subsídios para as famílias que acolhem a criança e o adolescente, o que incentiva a reinserção da pessoa”, disse. Famílias abandonadas pelo poder público podem abandonar também seus filhos, como alertou Lindomar José da Silva O vice-presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, Lindomar José da Silva, fez uma contextualização do cenário social brasileiro, que agrava a violência e o abandono, cada vez maior, das crianças e adolescentes. “Primeiro as famílias pobres são abandonadas pelo poder público e acabam, também, abandonando seus filhos. Por isso a importância da concessão de subsídios para a família de origem ou extensa, formada por parentes próximos, como tios e padrinhos”, disse. Experiências Roberto Raquello, psicólogo da casa Lar de Laura, abordou as reações de crianças afastadas dos lares de origem O psicólogo Roberto Raquello, da casa de acolhimento Lar de Laura, contou que, quando a criança chega à instituição, processa a ruptura familiar de persas formas. “Não existe um padrão. Algumas ficam agressivas, outras com depressão, têm pesadelos, problemas estomacais e até dor de dente.” Segundo o psicólogo, quando essa criança é afastada da família de origem, já está vivendo em um contexto de extrema angústia e sofrimento, situação que precisa ser trabalhada e acompanhada pela equipe multidisciplinar que compõe a rede de assistência, após o acolhimento. “Precisamos falar sobre perdas e respeitar o tempo do luto da ruptura de cada um”, concluiu. Agarrado ao poste Fernanda Moreira, assistente social, leu um poema que escreveu sobre uma situação vivida com menino em situação de vulnerabilidade A assistente social Fernanda Moreira e Silva falou sobre a escuta de crianças e adolescentes em acolhimento institucional. “O encaminhamento para o acolhimento institucional é um momento que não passa muito pela palavra”, disse ela, ao se recordar de um caso de um menino que se agarrou ao poste para não ser encaminhado para a instituição, mesmo vivendo em uma situação de extrema vulnerabilidade. Essa criança faz parte de um grupo de irmãos acolhido na casa Lar de Laura. Segundo Fernanda Moreira e Silva, “a imagem do menino agarrado ao poste foi tão marcante que escrevi um poema sobre a situação.” O texto foi lido e emocionou a todos que participavam da live. Ela concluiu sua explanação com uma mensagem de esperança: “Precisamos fazer rachaduras no cimento, de onde pode brotar algo belo, algo novo”. Para a psicóloga Nicole Faria, da Vivendas do Futuro, é necessário mudar a ideia de que o acolhimento institucional é punitivo Nicole Costa Faria, da casa de acolhimento Vivendas do Futuro, falou sobre como a família de origem ou extensa se relaciona com a equipe do acolhimento institucional. Para a psicóloga, o acolhimento não é considerado prática de política pública e sim de ameaça a uma família que não cumpre suas obrigações, o que precisa ser combatido. “Precisamos mudar a ideia de que o acolhimento institucional é um lugar de punição, um reformatório”, concluiu. Acompanhe a live.  
24/09/2020 (00:00)
© 2020 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.