Acesso do Cliente

Insira seu usuário e senha para acesso ao controle de processos

Notícias

Cotação da Bolsa

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
França 0,43% . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
S&P 500 0,31% . . . .

Previsão do tempo

Hoje - Montes Claros, MG

Máx
31ºC
Min
20ºC
Parcialmente Nublado

Hoje - Rio Pardo de Mina...

Máx
31ºC
Min
16ºC
Predomínio de

Hoje - Rio de Janeiro, R...

Máx
38ºC
Min
25ºC
Pancadas de Chuva a

Hoje - Belo Horizonte, M...

Máx
28ºC
Min
19ºC
Pancadas de Chuva a

Hoje - Igarapé, MG

Máx
30ºC
Min
16ºC
Pancadas de Chuva a

Webmail

Acesso do Escritório

21/01/2021 - 16h44TJMG suspende reabertura de comércio em BHDecisão liminar reconhece competência de município para medidas de contenção da pandemia

  Atividades do comércio seguem restritas ao essencial, para reduzir contágio pelo coronavírus   A desembargadora Áurea Brasil, da 5ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), concedeu efeito suspensivo, a pedido do Município de Belo Horizonte, para impedir o retorno às atividades do comércio não essencial na cidade. A autorização para a reabertura havia sido dada pelo juiz Wauner Batista Ferreira, da 3ª Vara da Fazenda Pública Municipal, em ação popular ajuizada pelo deputado Bruno Engler. A relatora do recurso, desembargadora Áurea Brasil, ressaltou que não vislumbra ilegalidade na conduta da administração municipal, que se caracteriza como medida emergencial. Isso porque a proteção e a defesa da saúde e a assistência pública são deveres da União, do Estado e dos municípios. No caso, a autonomia dos entes municipais, segundo a magistrada, é reforçada por lei federal, decreto e deliberação de comitê estadual (Plano Minas Consciente) e precedente firmado pela Suprema Corte Brasileira. Além disso, as medidas do município amparam-se na consulta a profissionais qualificados da área médica e no monitoramento diário da situação epidemiológica. A desembargadora também salientou que, “na ponderação dos princípios constitucionais, o direito à vida, invariavelmente, tem protagonismo e, em colisão com a livre iniciativa e a valorização ao trabalho, deve se sobrepor”. Ela reconheceu a necessidade da retomada econômica e da preservação dos empregos ligados ao comércio não essencial, mas frisou que “a adoção de medidas sanitárias restritivas, ainda que austeras, mostra-se fundamental para a preservação da vida”. Por fim, a relatora ponderou que não cabe ao Poder Judiciário substituir a avaliação discricionária do Executivo em relação às medidas administrativas relacionadas à contenção da pandemia. Acesse a íntegra da decisão e a movimentação (1.0000.21.005476-3/001).  
21/01/2021 (00:00)
© 2021 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.