Acesso do Cliente

Insira seu usuário e senha para acesso ao controle de processos

Notícias

Cotação da Bolsa

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
França 0,43% . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
S&P 500 0,31% . . . .

Previsão do tempo

Hoje - Montes Claros, MG

Máx
28ºC
Min
22ºC
Nublado e Pancadas d

Hoje - Rio Pardo de Mina...

Máx
28ºC
Min
21ºC
Nublado e Pancadas d

Hoje - Rio de Janeiro, R...

Máx
28ºC
Min
18ºC
Parcialmente Nublado

Hoje - Belo Horizonte, M...

Máx
27ºC
Min
19ºC
Nublado e Pancadas d

Hoje - Igarapé, MG

Máx
27ºC
Min
17ºC
Nublado e Pancadas d

Webmail

Acesso do Escritório

17/10/2019 - 16h53TJMG medeia negociação entre MPMG e EstadoProcesso discute superlotação em presídio de Uberaba

O desembargador Maurício Pinto Ferreira, o promotor Henrique Macedo, a procuradora do Estado Luciana Sad, o secretário adjunto de Justiça e Segurança Pública Gustavo Tostes e o advogado-geral adjunto do Estado Luciano Neves conversam em audiência, que ocorreu com auxílio de servidores do Cejusc de 2º Grau O desembargador Maurício Pinto Ferreira, da 8ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), conduziu audiência de conciliação envolvendo pedido de providências quanto ao excesso de internos na Penitenciária Professor Aluízio Ignácio de Oliveira, em Uberaba, e sua eventual interdição. Como resultado da negociação entre representantes de várias instituições, realizada no Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania de 2º Grau (Cejusc de 2º Grau), o processo foi suspenso por quatro meses para as partes continuarem as tratativas e tentarem chegar a um acordo. O desembargador Maurício Pinto Ferreira, relator do recurso, destacou que a conciliação é particularmente indicada numa situação como essa, em que persos agentes públicos estão empenhados em assegurar direitos fundamentais e necessários à coletividade, como a segurança, a justiça e a dignidade na execução da pena, mas encontram limitações financeiras e obstáculos de ordem prática. “Embora um pouco mais lenta, a solução dialogada pode obter resultados mais duradouros e refletidos, o que, em se tratando de um grave problema social, é muito importante”, frisou. Estiveram presentes o advogado-geral adjunto do Estado, Luciano Neves, e a procuradora do Estado Luciana Guimarães Leal Sad, representando o Estado de Minas Gerais; a procuradora de justiça Reyvani Jabour Ribeiro e o promotor de justiça Henrique Macedo; o secretário adjunto de Justiça e Segurança Pública do Estado de Minas Gerais, Gustavo Henrique Tostes, e o superintendente de Gestão de Vagas, Paulo Ribeiro; a defensora pública Emília Castilho. Histórico O Ministério Público do Estado de Minas Gerais (MPMG) ajuizou ação civil pública, argumentando que a Penitenciária Professor Aluízio Ignácio de Oliveira tem capacidade para abrigar 698 presos, mas atualmente conta com aproximadamente 1.510. O MPMG requeria que a situação fosse regularizada no prazo de oito meses. Em primeira instância, a juíza Letícia Rezende Castelo Branco decretou, em agosto de 2018, a interdição parcial do estabelecimento prisional para determinar que o Estado de Minas Gerais: 1) no prazo de 30 dias, se abstivesse de enviar detentos de outras unidades prisionais para a Penitenciária de Uberaba; 2) transferisse o excedente de presos que já se encontrassem condenados definitivamente ao número de vagas existentes, no prazo de 12 meses, para outros estabelecimentos prisionais de Minas, sob pena de multa diária de R$ 10 mil, limitada a R$ 1 milhão, a partir da intimação. O Estado recorreu em novembro de 2018, com pedido liminar para suspender a determinação. O desembargador Caetano Levi Lopes, em fevereiro deste ano, concedeu a solicitação, por vislumbrar no caso risco de dano irreparável ou de difícil reparação. Ele afirmou que são conhecidas a escassez de vagas no sistema prisional mineiro e a grave crise financeira que assola o Estado. “A interdição da referida penitenciária, com a consequente transferência imediata de mais de 800 presos, não é a melhor solução para o combalido sistema prisional estadual, até porque isso irá refletir em outras unidades que também sofrem com a superlotação”, afirmou na ocasião. Acompanhe o caso na comarca e no TJMG.  
17/10/2019 (00:00)
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.